“Autossuficiência” destrutiva

19 Jan

” Ter problemas na vida é inevitável, ser derrotado por eles é opcional” (desconheço o autor)

Crédito da Imagem: Google imagens

Crédito da Imagem: Google imagens

De passinho em passinho, eu estou retomando as rédeas da minha vida novamente, não posso dizer que estou 100%, mas nem preciso. Os 80% já estão me dando uma autonomia e mobilidade maior. Sim, 4 meses se passaram e eu estou aqui com um sentimento, uma grande necessidade de ser autossuficiente. (acho que após a reforma ortográfica passou a se escrever assim né?)

Mas não no sentido de ser uma pessoa que se julga melhor, e que basta de si mesma, mas no sentido de poder viver sem precisar a todo o momento de ajuda para as mínimas coisas do dia a dia, como ir a cozinha beber um copo de água, ou ser capaz de lavar meus próprios cabelos.

Sabe aquela ideia de indestrutibilidade que muitas pessoas têm, achando que podem tudo? Muitas vezes gastamos tanto tempo tentando esconder o que sentimos para construir uma imagem de força, coragem e estabilidade que se torna extremamente difícil a certa altura despir o personagem e correr o risco de parecermos humanos (que somos) de mostrar talvez que falhamos em determinadas situações.

Muitas vezes deixamos de aprender muitas coisas na vida por nos acharmos AUTOSSUFICIENTES, donos da verdade e senhores da razão. Mas a grande verdade, alem do engano da autossuficiência, existe também a questão do ciúme em relação ao sucesso do outro, em relação a nossa vaidade e nossa soberba e mania que muitos tem querer ser superior a alguém.

Isto me lembra de meu último chefe, um completo idiota que não conseguia sequer assumir o que ele realmente era e gostava (aliás, só ele achava que ninguém sabia que ele era homossexual) quanta ignorância não é mesmo?

Abrindo um parêntese em meu raciocínio, é muita estupidez de uma pessoa querer fingir o que não é. Sinceramente, nunca me importei com que as pessoas gostam de fazer entre quatro paredes, a opção sexual de uma pessoa não me interessa nem um pouco. Nunca deixei de amar meus amigos por eles serem homossexuais. Pelo contrário, só aumenta meu respeito por eles serem honestos com eles mesmos. Minha melhor amiga mora com uma mulher a 9 anos. E daí? Isto é decisão dela. Não muda em nada nossa relação. (mas eu sempre digo que ela perde muito, pq o tal do “homi” é tão bom, mesmo às vezes sendo tão chato) piadinhas a parte. Fecho meu parênteses.

E voltando ao meu chefe, é uma pessoa tão medíocre que me lembro do dia em que fui entregar meu pedido de exoneração, ele nem me recebeu. Adora se mostrar ocupado, importante e ele se achava o homem mais inteligente daquela municipalidade. Só porque tinha um cargo (político – no máximo oito anos se o prefeito fosse reeleito) de Secretário Municipal. Mal sabe ele que o próprio prefeito já me ligou algumas vezes e resolvi  “abacaxis” sem precisar de opinião ou autorização do tal.

Não estou me julgando melhor que ele, por favor, não me entendam mal, mas estou dizendo que ninguém é dono de todo o conhecimento. E que nem sempre quando pedimos opinião isto signifique que somos inseguros ou burros. Isto significa que não temos medo de julgamentos e que somos inteligentes sim. Porque assumimos nosso lado humano e queremos mostrar que a outra pessoa também é necessária. Seja no âmbito pessoal ou profissional.

Engana-se quem diz que nascemos sozinhos, eu penso que não nascemos, pois a nossa mãe está lá e sem a força que ela precisa fazer, não nascemos se sem os cuidados dela enquanto feto, nós não nos desenvolvemos. (Ou falei muito m. aqui?) E nem tão pouco “Ninguém vive sozinho” e por mais que muitos tenham um certo gosto pela solidão, também precisamos de alguém e esse alguém precisa se sentir amado e necessário. Lógico que sem exageros.

Eu não sou mais forte, nem melhor que ninguém, nem a mais corajosa. Mas humilde o suficiente para dizer que graças a vocês eu tenho conseguido encontrar coragem, força e grandes exemplos para superar todos os obstáculos que venho enfrentando estes últimos 4 meses.

E só para ficar registrado, hoje faz três meses que me Pai olha por mim lá do céu. E saudade cada vez maior.

Crédito da Imagem: Bing Imagens

Crédito da Imagem: Bing Imagens

PS: a autossuficiência aqui abordada refere-se ao estado de não necessitar de qualquer ajuda, apoio ou interação de outros, para viver e sobreviver. E é lógico que existe também um conceito positivo para a mesma palavra.

Anúncios

4 Respostas to ““Autossuficiência” destrutiva”

  1. Blog do Óbvio - Manoel 21 de Janeiro de 2014 às 19:17 #

    Lola, que cabecinha boa a sua. Fico muuuuuito feliz por vê-la assim. A gente se achar autossuficiente é uma burrice e muitas coisas acontecem na vida da gente para a gente perceber o nada que é. Nós só temos grande valor quando ajudamos, compreendemos, acolhemos,…, o nosso próximo e atualmente o meu próximo mais longe (em distância quilométrica) é você, porém é o mais próximo do meu coração. Até me emociono vendo você com toda essa superação.
    Um beijo com carinho,
    Manoel

    PS: Não estava comentando aí porque parei de receber os mails avisando suas postagens. Vou verificar o porque e regularizar. Como você havia dito que sua mãe puxou suas orelhas e você reagiu bem, corri aqui para ver se tinha algo e tem um montão. Me desculpe, falha minha, kkk!
    Outro beijo,
    Manô

    • Lola Maria 22 de Janeiro de 2014 às 18:14 #

      Manô,
      Aqui você manda!
      Tenha certeza que eu me sinto muito pertinho do teu coração. E espero que você possa sentir-se igualmente pertinho ao meu.
      E você já é a terceira pessoa que me fala que não está recebendo minhas notificações. Hum vou ter que fazer uma investigação sumária…
      ( hahaha, me achei agora…)
      Beijo e um abraço bem apertado
      Lola

  2. Gisley Scott 21 de Janeiro de 2014 às 17:43 #

    Oie Lola, seu posts só confirma o que eu tenho visto muito por aqui. Título pode dizer o que alguém fez ou faz mas não pode dizer quem alguém verdadeiramente é, pois existem muitas pessoas que acham que arrasam por ter título a,b ou c ou experiência em área a,b ou c e mal sabem que a menos que busquem pelo auto aperfeiçoamento diário, será muito difícil ter o carisma, admiração e simpatia das pessoas.

    A pessoas não compram nosso diploma, nossa experiência, nossos títulos, nossos serviços. As pessoas compram a nossa imagem pública e se caso não gostem do que veem, vai ser muito difícil fechar negócio, ser promovido, fazer bom networking, ser indicado, ter aquele emprego. Eu digo isso porque meu esposo nunca foi para uma universidade e sempre quando ia para uma entrevista de emprego, derrubava todos os outros candidatos.

    Muita gente diz: fulano é bem sucedido pq fez isso e aquilo. Mas é o contrário: fulano é comunicativo, proativo, usou disso, fez isso e aquilo e por isso se tornou bem-sucedido.

    Sejamos pessoas melhores caso queiramos ter o melhor da vida.

    Bjos e amei sua reflexão.

    • Lola Maria 22 de Janeiro de 2014 às 18:10 #

      Gisley,
      Que bom ter você aqui, fico muito feliz! Eu te acompanho já faz um tempinho e te conheci através do blog da Ana Paulaner!
      E é este mesmo o pensamento, as pessoas pensam que o dinheiro é capaz de tudo, mas se esquecem que muitos dos nomes que estão listados na “Forbes”, fizeram seus milhões contando apenas com o talento natural que já tinham (até pq nenhum professor ensina inteligência) e nenhum canudos embaixo do braço ou enfeitando parede substitui o talento.
      Obrigada mesmo por seu comentário e porque não dizer testemunho. E que você e teu marido crescem cada vez mais!
      Um beijo enorme pra você!
      Lola

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: